Cinco dicas para deixar seu site rápido sem comprometer a estratégia de Marketing Digital

22 de fevereiro de 2016

Já falamos no blog da ODIG como um site lento e não responsivo pode comprometer mesmo a melhor estratégia de marketing digital. Mais de 53% das buscas realizadas no Brasil via Google foram feitas a partir de dispositivos móveis, e a necessidade de ter sua empresa adaptadas às telas de smartphones e tablets se torna maior.

Mas não adianta ter seu próprio site super bem construído e não se preocupar com sua atualização e manutenção, pois isso também pode deixá-lo lento. Vários fatores podem prejudicar a velocidade de abertura, alguns deles são total responsabilidade do usuário e você vai saber a seguir:

Atenção ao conteúdo

O responsável por inserir conteúdos (textos, vídeos, fotos, agenda etc), deve prestar atenção ao tamanho dos arquivos que são colocados no site. Os formatos recomendados são *.jpg e *.gif, que possuem alta compressão e tamanhos menores, com queda de qualidade.

Imagens com alta definição, em formatos como *.tiff, *.tga e *.png possuem baixa compressão e, por isso, a perda de qualidade é mínima, a reprodução das imagens é incrível e o tamanho delas é enorme.

dicas para deixar seu site rapido

Sério, algumas dessas imagens podem chegar a 20 megabytes. Neste caso, uma única foto de um site representaria 5% da franquia de 400 mega de um plano como o SmartVivo Controle, por exemplo. Isso implica em fazer o usuário consumir de uma vez só, em menos de um minuto, uma porção considerável da franquia em apenas uma imagem.

Porém, se um usuário abre a página a partir de sua conexão 3G da tela de um celular de 4,5 polegadas, a imagem não necessita ser tão grande, já que a própria resolução da tela é menor.

Pense sempre: não adianta ter um conteúdo incrível para alimentar sua estratégia de Marketing Digital se a maioria não puder ler. O conteúdo deve ser acessível à maioria.

Aqui na ODIG, valorizamos o equilíbrio entre a qualidade da imagem e o tamanho dela e para resolver essa equação, utilizamos a opção “Exportar para Web/Export to Web” do Photoshop, que reduz a imagem a tamanhos otimizados para a exibição online. Para acessá-lo no programa, basta segurar as teclas Alt+Shift+Ctrl+S (Alt+Shift+Command+S no Mac).

Claro, na hora de exportar, é importante levar em consideração a qualidade, o tamanho em pixels e o tamanho em kilobytes (Kb), este último, o verdadeiro responsável pela velocidade de carregamento. Pela nossa experiência, uma imagem deve ter em média 100 Kb.

Se forem várias imagens na mesma página, quanto menores, melhor, afinal serão várias imagens de 100 Kb a serem carregadas ao mesmo tempo.

Plugins e scripts

Atualmente, é muito fácil implementar novos recursos no site e, muitas vezes, o próprio empresário tem autonomia para inserir ferramentas que o ajudem no controle do fluxo, no mapeamento de calor, na criação de um mailing próprio, link com as redes sociais e até recursos visuais da página, como slideshow e player de vídeo integrado.

Tudo isso é feito por meio de plugins, que são como pequenos aplicativos que o site precisa carregar cada vez que é aberto. Cada um deles gera uma requisição e quanto mais delas, mais lento o carregamento da página. Por isso, use somente o que for extremamente necessário para o negócio.

Já para os scripts, a prática recomendada para deixar o site tinindo é o minification, que consiste em agrupá-los em uma quantidade menor de arquivos de menor tamanho. Quanto menos arquivos, menos requisições, velocidade maior.

Uso do Adobe Flash

dicas para um site mais rapido morte do flashAntes o queridinho entre muitos webdesigners pelas possibilidades visuais, o Flash teve seu uso cada vez mais restrito na construção de sites. Um dos maiores motivos é o que o Flash é pesado, muito pesado!

Outro motivo importantíssimo é que essa tecnologia não é muito bem aceita por dispositivos móveis, pois deixa os aparelhos lentos e consome muita memória e bateria. Não à toa, Steve Jobs declarou em 2008 que a Apple não daria suporte ao Flash no lançamento do primeiro iPhone, algo que foi seguido no iPad e todos os lançamentos seguintes.

Em época de responsividade, onde o site precisa abrir em qualquer dispositivo, existem alternativas mais viáveis para deixar seu site cheio de “movimento”, como o HTML5 e o CSS3.

Na ODIG, não utilizamos o Flash na construção de sites, mas se o profissional contratado te sugerir isso, é por sua conta e risco.

Código limpo = site + rápido

Além do visual diante de seus olhos estão códigos de programação complexos que fazem o site funcionar, responsáveis por fazer as consultas ao banco de dados, acessar o servidor e trazer as páginas para a tela do usuário. Cada processo exige mais processamento, impactando diretamente na velocidade de abertura.

Os plugins também acrescentam códigos ao site e pesam na velocidade de abertura.

Por isso, quanto mais limpo o código, mais rápida a abertura do site. Se você entende do assunto, vale ler e reler o código, testar plugins e sua funcionalidade (e necessidade) e refatorar o código, ou seja, retirar tudo o que for desnecessário, deixá-lo mais limpo.

Hospedagem do site

Mesmo com o trabalho de limpeza do código, redução de plugins e scripts e o cuidado na hora de postar conteúdo, o site ainda pode apresentar lentidão. O servidor onde o site está hospedado pode ser o grande culpado.

Conforme o site cresce em conteúdos e acessos, o servidor precisa acompanhar essa expansão, para que não fique sobrecarregado. Uma boa hospedagem deve oferecer processamento suficiente para manter seu endereço estável e carregando o mais rápido possível.

dicas para deixar seu site rapido

Normalmente, a hospedagem é contratada por pacotes que oferecem espaço de armazenamento para o site e servidores com velocidades de processamento variadas. O problema é que a maioria desconhece essa necessidade e opta pelo pacote mais barato, aí, é como querer colocar 300 pessoas em um ônibus no horário de pico. Vai ficar lotado, sobrecarregado e lento.

Se você está com o site tinindo, mas ele continua lento, vale revisar o plano contratado para pegar um que atenda melhor suas necessidades. Caso a contratação tenha sido terceirizada pela agência digital que construiu o site pra você, entre em contato com eles.

Autor Flavio em ODIG Digital Marketing Experts
Flavio Barboni

Jornalista, graduado pela Universidade Anhembi Morumbi (SP) e com experiência em redações, produção de conteúdo e em comunicação corporativa.

Faça seu comentário aqui: